domingo, 5 de abril de 2015

História | O ovo de Páscoa




Para os cristãos, a Páscoa é a celebração da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Contudo, alguns símbolos dessa celebração acabam passando desapercebido pela maioria das pessoas, alias como relacionar o ovo de Páscoa e o coelho ao aspecto religioso da data? 

Bem, as respostas estão no tempo onde nem existia a igreja cristã. Em várias culturas antigas, o ovo era um presente bastante comum em épocas que se celebravam a chegada da primavera. Sendo presentes, vários ovos eram decorados com desenhos e pinturas. 

Vindo desde a antiguidade, a prática de usar ovos como presentes também se estendeu pela Idade Média. 

Ainda na antiguidade, muitos povos realizavam rituais de adoração a deusa Ostera, a deusa da Primavera. Geralmente essa deusa era representada como uma mulher observando um coelho e segurando um ovo. Esta imagem representa três símbolos da fertilidade: a mulher, o ovo e o coelho. A fertilidade era um dos elementos de grande adoração entre os povos antigos.

Representação da deusa Ostera

Mas como tais símbolos tornaram-se elementos religiosos entre os cristãos? A resposta para isso está no Concílio de Nicéia, em 325 d.C. Com o objetivo de aumentar o número de fiéis, os clérigos utilizaram da adaptação de símbolos e tradições antigas ao contexto cristão para atrair novos adeptos.

Na Idade Média, reis e nobres que tinham condições comemoravam a Páscoa presenteando ovos feitos de ouro e enfeitados com pedras preciosas. 

O ovo de chocolate entrou para a história logo após a chegada dos europeus ao continente americano. Entre os Maias e os Astecas, o chocolate era um alimento sagrado. Foram os espanhóis os responsáveis pela introdução do produto na Europa, mas foram os franceses, séculos depois, que criaram os primeiros ovos de chocolate.


Nenhum comentário:

Postar um comentário